Avanço do Ateísmo
4 Visitantes | 23/10/2014 15:08
 
Apresentação
Anúncio da 2° Vinda
Apostasia - Artigos
Apostasia na Igreja
Apostasia no Brasil
Apostasia no Mundo
Artigos do Monsenhor Abib
Artigos do Pe. José do Vale
Artigos do Pe. Léo Persch
Avanço da Bruxaria
Avanço do Ateísmo
Avanço do Espiritismo
Avanço do Satanismo
Eutanásia e Aborto
Notícias que Chocam
Nova Era
Nova Ordem Mundial
O Inferno Existe?
Os Tempos Finais
Perseguição aos Cristãos
Profecias
Visita Recomendada
Contato
Cientista afirma que as pessoas mais inteligentes tendem a questionar a existência de Deus

09.08.2008 - Reportagem da revista ÉPOCA, agosto 2008.

O pesquisador britânico Richard Lynn dedicou mais de meio século à análise da inteligência humana. Nesse tempo, publicou quatro best-sellers e se tornou um dos maiores especialistas no assunto. Nos últimos 20 anos, passou a investigar as relações entre raça, religião e inteligência. Ao publicar um trabalho na revista científica Nature, que sugeria que os homens são mais inteligentes, um grupo feminista o recepcionou em casa com o que ele chamou de salva de ovos. O mesmo aconteceu quando disse que os orientais são os mais inteligentes do planeta. “Faz parte do ofício de um cientista revelar o que as pessoas não estão prontas para receber”, diz. Ao analisar mais de 500 estudos, Lynn disse estar convencido da relação entre Q.I. alto e ateísmo. “Em cerca de 60% dos 137 países avaliados, os mais crentes são os de Q.I. menor”, disse. Seu trabalho será publicado em outubro na revista científica Intelligence.

ENTREVISTA - RICHARD LYNN

QUEM É
Professor emérito e chefe do Departamento de Psicologia da Universidade do Ulster, na Irlanda do Norte.
Ph.D. pela Universidade de Cambridge, é um dos maiores especialistas em estudos de inteligência em raças e gêneros

O QUE PUBLICOU
Quatro livros sobre inteligência ligada à raça e ao sexo, entre eles Race Differences in Inteligence: an Evolutionary Analysis, e dezenas de artigos em revistas científicas, como a britânica Nature.

 

ÉPOCA – Por que o senhor diz que pessoas inteligentes não acreditam em Deus?

Richard Lynn – Os mais inteligentes são mais propensos a questionar dogmas religiosos. Em geral, o nível de educação também é maior entre as pessoas de Q.I. maior (um Q.I. médio varia de 91 a 110). Se a pessoa é mais educada, ela tem acesso a teorias alternativas de criação do mundo. Por isso, entendo que um Q.I. alto levará à falta de religiosidade. O estudo que será publicado reuniu dados de diversas pesquisas científicas. E posso afirmar que é o mais completo sobre o assunto.

ÉPOCA – Segundo seu estudo, há países em que a média de Q.I. é alta, assim como o número de pessoas religiosas.

Lynn – Sim, mas são exceções. A média da população dos Estados Unidos, por exemplo, tem Q.I. 98, alto para o padrão mundial, e ao mesmo tempo cerca de 90% das pessoas acreditam em Deus. A explicação é que houve um grande fluxo de imigrantes de países católicos, como México, o que ajuda a manter índices altos de religiosidade nas pesquisas. Mas, se tirarmos as imigrações ao longo dos últimos anos, a população americana teria um índice bem maior de ateus, parecido com o de países como Inglaterra (41,5%) e Alemanha (42%).

ÉPOCA – Cuba é um país mais ateu que os Estados Unidos, mas o nível de Q.I. não é tão alto.

Lynn – Você tem razão. É outra exceção. Pela porcentagem de ateus (40%), o Q.I. (85) dos cubanos deveria ser mais alto que o dos americanos. Mas há também aí um fenômeno não natural que interferiu no resultado. Lá, o comunismo forçou a população a se converter. Houve uma propaganda forte contra a crença religiosa. Não se chegou ao ateísmo pela inteligência. A população cubana não se tornou atéia porque passou a questionar a religião. Foi uma imposição do sistema de governo.

ÉPOCA – E o Brasil, como está?

Lynn – O Brasil segue a lógica, um porcentual baixíssimo de ateus (1%) e Q.I. mediano (87). É um país muito miscigenado e sofreu forte influência do catolicismo de Portugal e dos negros da África. Fica difícil mensurar a participação de cada raça no Q.I. atual. O que posso dizer é que a história do país se reflete em sua inteligência.

 

ÉPOCA – O senhor quer dizer que a miscigenação influenciou nosso Q.I.?

Lynn – Sim, é uma hipótese em análise ainda. Os japoneses são os indivíduos que na média têm o maior Q.I. (105) entre as raças estudadas. É mais alto que o dos europeus e dos americanos. Em negros da África Subsaariana, o resultado foi 70. Em negros americanos, esse valor é maior (85). Isso pode ser explicado pelos 25% dos genes da raça branca que os negros americanos possuem.

ÉPOCA – O senhor está sugerindo que índios, brancos e negros têm Q.I. diferente entre si?

Lynn – Exatamente. Isso se explica pela história da humanidade. Quando os primeiros humanos migraram da África para a Eurásia, eles encontraram dificuldade para sobreviver em temperaturas tão frias. Esse problema se tornou especialmente ruim na era do gelo. As plantas usadas como alimento não estavam mais disponíveis o ano inteiro, o que os obrigou a caçar, confeccionar armas e roupas e fazer fogo. Ao exercitar o cérebro na solução desses problemas, tornaram-se mais inteligentes. Há também uma mutação genética que teria acontecido entre asiáticos e dado uma vantagem competitiva a essa raça.

ÉPOCA – O senhor chegou a alguma conclusão sobre a inteligência das raças?

Lynn – Sim. Os asiáticos são os mais inteligentes. Chineses, japoneses e coreanos têm o Q.I. mais alto (105) da humanidade. E isso acontece onde quer que esses indivíduos estejam, seja no Brasil, nos Estados Unidos, na Europa ou em seu país de origem. Em seguida, vêm europeus (100) e nas últimas posições estão os aborígenes australianos (62) e os pigmeus do Congo (54).

 

ÉPOCA – Se fosse assim, seria mais fácil encontrar um gênio entre os japoneses ateus, não?

Lynn – Não. Os asiáticos têm Q.I. alto, mas são um grupo mais homogêneo. Há menos extremos positivos e negativos. Eu não diria que é mais fácil nem mais difícil. Na verdade, não sei. Os gênios aparecem em todos os povos, em todos os países, mas é difícil medi-los. E não é porque se é religioso que se é menos inteligente. Mas há uma tendência de encontrar Q.I. mais alto em pessoas não-religiosas. Em minha opinião, isso acontece porque a inteligência aprimorada leva ao questionamento da religião.

ÉPOCA – Há outras habilidades relacionadas ao sucesso profissional e à felicidade, além do Q.I.?

Lynn – Os testes de Q.I. não devem ser tomados como a coisa mais importante da vida. Há muito de cultural nesses testes. E isso se reflete no mau desempenho de tribos rurais. Há também a tão alardeada inteligência emocional e uma série de características sociais que geram vantagem nos tempos modernos. Mas insisto que o Q.I. é um item fundamental para medir a inteligência de uma pessoa.
ÉPOCA – Que outras conclusões podemos tirar a partir do teste de Q.I.?

Lynn – Inúmeras. É uma área de estudos muito produtiva hoje em dia. Acredita-se que pessoas com Q.I. elevado tenham menores índices de mortalidade e menos doenças genéticas. Aparentemente, há uma relação forte entre saúde e Q.I. alto. Os indivíduos mais inteligentes também apresentam menos risco de sofrer de depressão, estresse pós-traumático e esquizofrenia.

ÉPOCA – Qual é seu Q.I.?

Lynn – Meu Q.I. é 145 (Lynn seria superdotado de acordo com a escala mais popular de Q.I. ). É um número alto, eu sei, mas não destoa entre os colegas da academia. Há Q.I.s mais altos que o meu na Academia de Ciências dos EUA. Mas lá também vale a regra. O número de ateus chega a 70%.

ÉPOCA – Como o senhor vê o papel da religião na sociedade?

Lynn – A religião é um instinto, o homem primitivo tem crença religiosa e isso, por algumas razões, se manteve até hoje. Mas, acredito, somos capazes de superar isso com a razão. (fim)

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Lembrando...

A Igreja Católica é alvo preferido do ateísmo militante, afirma Arcebispo argentino

20.06.2007 - BUENOS AIRES - O Arcebispo de Corrientes, Dom Domingo Salvador Castagna, denunciou que o ateísmo militante tem como alvo preferido à Igreja Católica, em sua reflexão radial de cada semana.

O Prelado argentino se referiu à "tática do desprestígio", ao afirmar que "o homem contemporâneo parece rechaçar o religioso, mas, o que em realidade rechaça é a um Deus que inspira a orientação de seus passos para o lucro de seu destino. Não sabe o que fazer com sua vida e, não obstante, rebela-se contra Quem (Deus) indica-lhe o que deve fazer com ela. A maneira de obter com êxito esse 'rechaço' é desprestigiar a quem aproxima a palavra orientadora e a graça".

Depois de precisar que não toda expressão religiosa é desprezada, o Arcebispo explicou que como "a discriminação avança sobre as exigências morais" destas, a que se converteu no "alvo preferido do 'ateísmo militante' e de bombardeio de mal intencionadas acusações contra quem quer viver e expor honestamente a verdade" é a Igreja Católica.

"O mal causou tais estragos que a sensibilidade popular ficou profundamente afetada. Advertimo-lo ao normal desenvolvimento das apreciações sobre distintos e dilaceradores acontecimentos. A responsabilidade na comissão de tudo feito delitivo compreende um amplo espectro da sociedade. Não haverá saúde para os espíritos enquanto se mantenha uma linha divisória maniqueísta que pretenda carregar toda a culpabilidade sobre alguns e exonerar outros constituindo –a estes últimos– em vítimas puras e absolutamente impecáveis", indicou o Arcebispo.

Fonte ACI

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Lembrando...

Com ateísmo e secularismo o homem fica cego por seu próprio egoísmo, adverte o Papa

03.03.2008 - VATICANO - Ao presidir a oração do Ângelus dominical, o Papa Bento XVI denunciou a cegueira que afeta ao homem quando se deixa levar pelo ateísmo e secularismo.

“Ao curar ao cego, Jesus revela que veio ao mundo para julgar, para separar aos cegos que podem curar-se daqueles que não se podem curar, porque presumem ser saudáveis. De fato é forte no homem a tentação de construir um sistema de segurança ideológica: inclusive a religião pode formar parte deste sistema, como o puro ateísmo ou o secularismo, mas ao fazê-lo a pessoa se cega pelo próprio egoísmo”, explicou.

Em sua habitual reflexão dominical, o Papa indicou que “nestes domingos de Quaresma, através dos textos do Evangelho de João, a liturgia nos permite empreender uma autêntica viagem batismal”.

“No domingo passado, Jesus prometeu à mulher o dom da ‘água viva’; hoje, curando ao cego de nascimento se revela como ‘a luz do mundo’; na próximo domingo, ressuscitando o seu amigo Lázaro, apresentará-se como ‘a ressurreição e a vida’. Água, luz e vida são símbolos do batismo, o sacramento que "inunda" aos fiéis no mistério da morte e ressurreição de Cristo, nos liberando da escravidão do pecado e dando a vida eterna”, assinalou.

Ao meditar sobre a passagem do Evangelho de hoje, o Papa recordou que “os discípulos, de acordo à mentalidade da época, davam por certo que sua cegueira era o resultado de seu pecado ou o de seus pais. Jesus rechaça esta injúria” e pronuncia palavras de consolo que “nos fazem sentir a voz viva de Deus, que é amor providente e sábio”.

“Jesus não pensa nas faltas, mas na vontade de Deus, que criou ao homem para a vida”, indicou.

O Papa explicou que com o gesto de tomar barro e saliva para curar ao cego, Jesus alude “à criação”.

“Adão significa ‘terra’, e o corpo humano está realmente composto por elementos da terra. Fazendo-se homem, Jesus realiza uma nova criação”, afirmou.

Do mesmo modo, precisou que “a cura suscita um debate, porque Jesus o fez em sábado, transgredindo, de acordo com os fariseus, a lei. Assim, ao final da história, Jesus e o cego se encontram ‘expulsos’ pelos fariseus: um porque violou a lei e o outro porque, apesar de sua recuperação segue levando a marca de pecador desde seu nascimento”.

“Queridos irmãos, saremos em Jesus, que pode e quer nos dar a luz de Deus. Confessemos nossa cegueira, nossa miopia e, em especial, o que a Bíblia chama o ‘grande pecado’: a arrogância. nos ajude Santa Maria, que gerando a Cristo na carne deu ao mundo a verdadeira luz”, concluiu.

Ao final do Ângelus, em sua saudação aos peregrinos pediu que “seguindo o itinerário quaresmal, convido a todos a deixar-se iluminar por Cristo e fazer que, com o testemunho de vida e as boas obras, resplandeça sua luz perante os homens”.

Fonte: ACI

« Voltar   Ver outras »